O FUTURO EM REDEMOINHOS!

O QUÊ O OLHO NÃO VÊ, A CIÊNCIA TE EXPLICA: BURACOS NEGROS.

Você já se perguntou, quando era criança, vendo os filmes de ficção científica, como os buracos negros funcionam? Pois é, grandes corpos que “engolem” tudo o que está no seu caminho: planetas, estrelas etc. Seria espantoso falar para você mesmo no passado que o conceito de grande nem sempre se relaciona com tamanho. Neste post, trarei para você um conceito mais detalhado do que é um buraco negro, destacando suas principais características.
Na história, foi adotado o nome de buraco negro pela primeira vez por John Wheeler, como uma gráfica descrição do princípio da dualidade onda/partícula da mecânica quântica. No início, acreditava-se que a luz possuía uma velocidade infinita, tanto que a gravidade não interferia em sua trajetória. Tempo depois, de acordo com OleRoemer (dinamarquês), soube-se que a luz possui uma velocidade finita (aprox. 3.10^8 m/s) e ,assim implicou-se num feito importante.
Em 1783, John Michell postulou a seguinte ideia: “uma estrela com massa suficientemente compacta poderia ter uma campo gravitacional tão forte que nem a luz poderia escapar[…]Ainda que não fosse possível vê-las, pois sua luz não atingiria os olhos humanos, poderia-se sofrer uma atração gravitacional. O termo buraco negro se relaciona ao vácuo escuro em seu interior.
Mas, como se forma um buraco negro? Bem, ele é um dos finais existentes para a morte de uma estrela. Algumas delas, no seu leito de morte, são chamadas de Anãs Brancas, estrelas que perderam seu combustível, além de possuírem uma pressão degenerativa de seus elétrons e são aproximadamente do tamanho da Terra.
Outro final é uma Estrela de Nêutrons, corpos que possuem 9 a 20 vezes a massa do Sol e um núcleo 1,5 a 3 vezes a massa solar. Contraditoriamente, seu tamanho é menor que a Terra, ou seja possui uma densidade maior. Diferente da Anã Branca, há uma pressão degenerativa dos nêutrons.
Já os buracos negros possuem uma origem a partir de estrelas mortas com massa maior que 20 vezes a do Sol, sendo seu núcleo 3 a 4 vezes a massa solar. Mas, o mais impressionante é que há uma enorme condensação, que ,por ser tão grande, o corpo se transforma em um ponto no espaço, sendo que sua densidade seja infinita. Por isso, esse corpo possui um campo gravitacional imenso, atraindo todos os outros corpos para dentro da singularidade (nome dado pelos cientistas ao ponto). Esse campo gravitacional possui um limite que, para os estudiosos, chama-se Horizonte de Eventos. A luz, e outros corpos, passam tranquilamente do lado de fora dessa região delimitada pelo horizonte, sem distúrbios. Agora, se passarem por dentro, para escapar necessitaria de uma velocidade de escape maior que a da luz.
Outra pate é o Disco de Acreção. Ele é visível pois há poeira espacial e a luz que é emitida é o resultado do atrito entre os átomos uns nos outros, aumentando quando se aproxima do horizonte de eventos, ou seja, da singularidade.
Não podemos deixar de comenta sobre as consequências após a absorção no buraco negro. Para Stephen Hawking, buracos negros são dilatações no espaço-tempo que possivelmente é a entrada de um caminho sem fim descoberto, chamado de Buraco de Minhoca, apresentado em seu livro O Universo Numa Casca de Noz
.

Guilherme Alves

Um jovem apaixonado por tecnologia, que gosta de trazer ao seu público diversas novidades. Apresentador do canal TecDuos e Info Android.

Loading...

Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home/u0264235/public_html/wp-includes/functions.php on line 3743